Garganta inflamada ou afônico

A garganta inflamada é um processo inflamatório na região da orofaringe e laringe, que pode acometer a faringe, amígdalas, eventualmente cordas vocais, podendo causar dor e rouquidão. 

 

Sintomas comuns:

  • Dor e irritação na garganta;

  • Ardência;

  • Tosses;

  • Pigarro;

  • Dificuldade para engolir, atrapalhando nas refeições;

  • Febre;

  • Mal-estar geral;

  • Rouquidão;

  • Glândulas inchadas no pescoço ou no maxilar;

  • Amígdalas inchadas;

Causas físicas:

  • Virais, chamadas de faringite e laringite viral;

  • Bacterianas, conhecidas como amigdalites bacterianas e faringites bacterianas. 

  • Decorrer por processos alérgicos que possam aumentar a produção de muco que se acumula na garganta e na parte de trás do nariz;

  • Rinite e sinusite, refluxo gastrointestinal também podem deixar a garganta inflamada, gerando irritação, inflamação e dores recorrentes.

  • Situações como cantar ou falar demais podem levar ao quadro inflamatório e mais chances de machucar a garganta e as cordas vocais;

  • Problemas respiratórios. Dormir de boca aberta (causa ressecamento).

  • Consumo de tabaco. O ato de fumar regularmente acaba gerando algumas mudanças nas vias aéreas, destruindo os “pelinhos” que protegem o seu organismo de algumas substâncias tóxicas entrarem no corpo. Com o tabagismo, eles podem deixar de existir, o que compromete a defesa dessa área. 

  • Resfriados ou gripes. É comum que suas células de autoproteção na área respiratória fiquem mais concentradas, provocando irritação e pigarro.

  • Doença pulmonares ou outras doenças graves também podem comprometer a saúde da garganta, provocando irritação e pigarro crônico;

  • Baixa produção de saliva;

Causas ambientais:

Essa inflamação costuma ser mais frequentes nas estações frias do ano, onde ocorre o aumento da propagação dos vírus, correlacionado a ambientes fechados.

 

O tempo seco e ambientes de ar condicionado também podem colaborar em processos de inflamação na garganta por ocasionar secura na garganta e facilitar a irritação.

Exposição à fumaça de cigarro também pode ser uma causa.

 

Obs.: É importante saber que a dor de garganta pode ser transmitida de pessoa para pessoa (viral ou bacteriana), por isso é importante identificar sua origem.

 

Diagnostico: Avaliação em clínica médica. Pode ser coletado a secreção para se descartar algumas bactérias comuns.​ Quando for detectado pus, a avaliação médica é ainda mais necessária, e o tratamento, de quadro infeccioso por suspeita de origem bacteriana, será com antibióticos. Uma infecção na garganta ou orofaringe não corretamente tratada pode gerar a formação de abcessos (coleções de pus), e seu agravamento pode causar a necessidade de drenagem cirúrgica e até internação.

Causas emocionais:

A dor na garganta pode sinalizar uma dificuldade de expor seus sentimentos e pensamentos, onde o inconsciente percebe e gera uma sensação de aborrecimento e frustração de sua própria conduta. Estes sentimentos, com o tempo, criam um “gatilho somático” que atinge diretamente a garganta, onde a dor expressa seus sentimentos contrariados. O que bloquei nossa fala nos obriga a ”engolir sapos”.

Nervosismo ou estresse são uma das causas de pigarro e irritação na garganta que aparece ou se intensifica nestes momentos.

Uma infecção nas amidalas (amidalite) pode sinalizar uma dificuldade  para reagir prontamente as ameaças por se sentirem constrangidas em se expor. Costumam apresentar um comportamento indeciso e serem prolixas na sua colocações, tendo dificuldade de serem diretas. Novamente o inconsciente percebe a situação como um incomodo emocional e cria o gatilho, principalmente quando a situação se agrava com distanciamento da solução. As amidalites de repetição demostram que a pessoa se encontra dentro de um padrão de comportamento e precisa ter consciência destes fatos para se expor de modo objetivo, buscando o auto respeito em defesa de suas colocações e sentimentos.

Comportamental associado:

Para identificarmos comportamentos que costumas criar gatilhos para a saúde da garganta, devemos fazer as seguintes perguntas:

  • Você prefere engolir uma situação desagradável a se expor com suas colocações que podem ser diferentes.

  • Você tem dificuldade de expor suas emoções?

  • Você tem a sensação que as outras pessoas não lhe compreendem?

  • Você costuma repetir muito um ponto de vista, buscando ser entendida?

  • Você percebe que evita sempre falar, como se houvesse um comando proibindo sua expressão (não posso falar)?

Vamos ver como a Reflexoterapia aborda esta questão!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Desta forma, podemos estar nos calando para diversos acontecimentos de nossas vidas, e este bloqueio é percebido por nosso inconsciente como algo a ser resolvido. Veja na figura acima, esta linha marcada em azul sinaliza uma dificuldade que a pessoa tem em falar sobre sua próprias emoções. A linha esta se dirigindo para a região reflexa da garganta. Quando temos situações emocionais não trabalhadas, nosso organismo acha um mecanismos para nos auxiliar a entender fatos e a buscar recursos, pela experiência, para nos curar. As vezes, o recurso extremo encontrado é a doença.

 

Pela reflexoterapia, buscaremos identificar os gatilhos emocionais origem de tal programação. Os estímulos nas áreas reflexas visaram o reequilíbrio fisiológico mas será através de uma viagem pela infância e adolescência que iremos dar consciência de sua origem. O próximo passo será buscar criarmos recursos emocionais para que o interagente possa lutar contra esta programação e até ressignificar acontecimentos de sua história. Muitas vezes, não será possível expressar diretamente suar emoções e fraquezas para as pessoas envolvidas , como pais, avós e conjugues. Nestas situações, recursos terapêuticos como a escrita de uma carta, onde serão expressos suas emoções para fatos do passado, podem ser de grande auxílio. Aconselho a destruir a carta posteriormente, como um gesto de pacificação com esta história que esta sendo enfrentada e vencida.

Áreas reflexas normalmente estimuladas para tratamento:

  • Coluna com ênfase em C4, C5 e C6. Da vertebra C6 partem a terminações nervosas das cordas vocais, glândulas do pescoço, laringe e faringe;

  • Terapia do Hálux. Melhora a aceitação do SN em relação a terapia;

  • Amigdalas;

  • Faringe;

  • Cordas vocais;

  • Traqueia;

  • Córtex externo da suprarrenal (inflamação);

  • Córtex interno da suprarrenal (infecção);

  • Sistema linfático superior;
  • Sistema Circulatório.

  • Baço;

  • Cabeça;

  • Ouvidos;

  • Trompa de Eustáquio;

Se existir refluxo refluxo, acrescente estímulos na área reflexa da Cárdia.

Garganta_01.jpg

Nossos pés são janelas para nosso inconsciente. Situações, muitas delas criadas na infância, se tornam padrões de comportamento. Pais muito rígidos, que não permitem que os filhos se expressem livremente, sem repressão verbal ou até física, podem gerar traumas que trarão consequências para o adulto. Este trauma, se torna uma programação, que bloqueia nossa expressão verbal espontânea.